quarta-feira, 31 de março de 2010

Don Rosa o Sucessor artístico de Carl Barks

Um grande Mestre Disney
Don Rosa
Gioachino (Keno) Don Hugo Rosa (Don Rosa) (Nascido em 29 de junho de 1951) é um desenhista e roteirista de quadrinhos Disney conhecido por suas histórias tendo como protagonista o Tio Patinhas (Scrooge McDuck), Donald Duck e outros personagens Disney. Ele é tido como o sucessor artístico de Carl Barks "O homem dos patos". Ele nasceu em Louisville, Kentucky, Estados Unidos. Um trabalho importante desse Mestre Disney é a Saga do Tio patinhas (No original inglês, The Life and Times of Scrooge McDuck), que saiu no Brasil em três volumes pela Editora Abril.
História
O nome Rosa (que significa "Pink" ou "rose") é de origem Italiana. Seu avô, Gioachino Rosa, viveu em Maniago, Uma pequena aldeia no sopé da Alpes no Norte da Itália, Na província de Pordenone. Gioachino Rosa emigrou para o Kentucky, Estados Unidos em 1915, pouco depois do nascimento de seu filho Hugo Rosa. Hugo Rosa mais tarde se casou no Kentucky. Sua esposa nasceu em uma família com pai alemão-americano e mãe com ascendência escocesas e irlandesas.
Hugo Rosa e sua esposa tornaram-se pais de Keno Don Hugo Rosa em 29 de junho de 1951. O menino recebeu o nome de seu pai e avô. Não tardou para Gioachino ser chamado simplesmente"Keno".
Infância
Don Rosa começou a desenhar quadrinhos antes mesmo de ser capaz de escrever. Desenhos, para ele, eram ilustrações para obter a estória contada.
Seu quadrinhos favoritos incluiam Tio Patinhas (Uncle Scrooge) pela editora Western Publishing e Superman pela DC Comics.
Ele entrou no University of Kentucky em 1969. Graduou-se em 1973 em engenharia civil.
Primeiros trabalhos.
Seu primeiro desenho foi uma história em quadrinhos com personagem próprio, Lancelot Pertwillaby. Ele criou a tira em 1971 para O The Kentucky Kernel, jornal da Universidade de Kentucky, que queria que a tira tivesse o foco na sátira política.
Depois da sua licenciatura, Rosa continuou a desenhar quadrinhos como um trabalho extra, mas sua renda principal vinha do trabalho que exercia no Keno Rosa Tile Company, Empresa fundada por seu avô paterno e que tinha agora o seu pais Hugo Rosa no comando.
Rosa teve uma chance profissional maior com a sua criação do personagem de quadrinhos Capitão Kentucky para a edição de sábado do jornal local Louisville Times. Capitão Kentucky era o alter-ego do super-herói de Lancelot Pertwillaby. Publicação iniciada em 6 de outubro de 1979. e foi encerrada em 15 de agosto de 1982 após a publicação de 150 episódios. Depois de três anos com o capitão Kentucky, Don decidiu que não valia a pena o esforço. Aposentou-se dos desenhos pelos próximos quatro anos. Anos mais tarde, como a sua fama crescia, seu trabalho não-Disney, foi publicado pelo editor norueguês Gazeta Bok em 2001, nos dois livros de capa dura The Pertwillaby Papers e As Aventuras do Capitão Kentucky. Casamento
Rosa casou-se com a professora Ann Payne, em 1980. Eles não têm filhos.
Trabalhar para Gladstone
Em 1985, ele descobriu a Gladstone Publishing Comics . Esta foi a primeiro editora de quadrinhos que continha personagens Disney depois da década de 1970. Desde o início da infância Don Rosa tinha sido fascinado pelas histórias da Disney sobre Donald Duck e Scrooge McDuck, que lhes fora apresentado por sua irmã mais velha Diana. Carl Barks foi um grande ídolo para ele, e segundo o próprio Don Rosa, continuará a ser para o resto de sua carreira. Ele chamou imediatamente o editor, Byron Erickson, E disse-lhe que ele era o único americano que nasceu para escrever e desenhar O Tio Patinhas e a família pato. Byron concordou em deixar-lhe enviar uma história, e Don Rosa começou a desenhar a sua primeira história do pato: "O Filho do Sol" no dia seguinte.
"O Filho do Sol" foi um sucesso e foi indicado para um Harvey Award.
Rosa produziu mais algumas histórias para Gladstone até 1989. Ele então parou de trabalhar para eles, porque política do seu licenciador Disney não permitia o retorno da arte original de uma história para seus criadores. Isso era inaceitável para Don Rosa, uma vez que uma parte dos seus rendimentos vinham justamente da venda dos originais. Sem esse dinheiro extra, ele não poderia ter uma vida dedicada somente a produção de quadrinhos.
Depois de fazer algumas histórias para a Editora holandesa Oberon, (os editores da revista Disney chamada DuckTales, baseado na série animada de mesmo nome) ofereceu-lhe emprego. Eles ainda lhe ofereceram um salário muito maior do que que ele ganhava na Gladstone. Don fez apenas um roteiro(Back in Time for a Dime). Os editores nunca lhe pediram para fazer mais, e devido a problemas com o recebimento do pagamento, ele nem fazia muita questão.
Trabalhar para Egmont
Depois de trabalhar com a revista DuckTales, Rosa descobriu que a Editora dinamarquêsa Egmont (na época chamado Gutenberghus) estava publicando reproduções de suas histórias e queria mais. Rosa se juntou a Egmont, em 1990, juntamente com Byron Erickson, O ex-editor de Gladstone e foi trabalhar lá como freelancer desde então.
Em 1991 ele começou a criar "The Life and Times of Scrooge McDuck", Uma história de doze capítulos sobre o seu personagem favorito. A série foi um sucesso, e em 1995 ele ganhou um Eisner Award de melhor série contínua. Após o final da série original, Don começou a produzir mais capítulos "ausentes". Alguns dos capítulos extras foram rejeitados pela Egmont, porque eles não estavam interessados em mais episódios. Felizmente, a revista francesa Picsou estava ansiosa para publicar histórias. A partir de 1999, Don começou a trabalhar free-lance para a revista Picsou também. Alguns destes capítulos foram compilados como The Life and Times of Scrooge McDuck Companion.
Em greve Durante o início do Verão de 2002, Rosa estava bastante chateado. Um artista não poderia viver sob as condições que Egmont estava oferecendo, mas ele não queria desistir de fazer quadrinhos dos patos. Assim, sua única opção era parar um tempo e tentar chegar a um acordo com Egmont. Seus principais problemas enfrentados com a Egmont foram que ele não tinha controle sobre suas obras. Rosa tinha descoberto muitas vezes que suas histórias foram impressas com páginas de arte incorreta, cores impróprias enfim, muitos problemas . Outra questão foi que seu nome foi usado para a promoção dos livros e coleções de histórias sem o seu acordo e sem o envio de royalties para ele.
Ele chegou a um acordo com a Egmont, em dezembro do mesmo ano, o que deu-lhe um pouco mais de controle sobre as histórias e as condições em que foram divulgadas.
Aposentadoria
Em 2008, Rosa se submeteu à cirurgia do olho. Em 2 de junho de 2008, durante uma entrevista na feira Komiks.dk dinamarquês, Don afirmou que não iria fazer mais quadrinhos Disney. Problemas nos olhos, e o principal deles, problemas que enfrentava frequentemente com o não pagamento de royalties com muitas editoras internacionais.
Rosa continua a ser popular entre os leitores de todo o mundo, mas considera-se um tanto obscuro e desconhecido em sua terra natal, nos Estados Unidos. Segundo ele mesmo o seu vizinho mais próximo não sabe a sua profissão.
Na Europa, Rosa é reconhecido como um dos melhores criadores de quadrinhos Disney. Carl Barks e Rosa são alguns dos poucos artistas que têm seu nome escrito nas capas das revistas da Disney quando suas histórias são publicadas. Suas histórias são facilmente reconhecidas devido ao seu estilo de desenho exclusivo, seus desenhos são extremamente detalhados. Rosa tem inclusive sutis referências às suas obras favoritas de ficção, bem como o seu próprio trabalho anterior. Ele normalmente usa cerca de 12 quadros por página, em vez dos 8 que é o mais comum. Ele precisa usar os quadros extras porque suas histórias são geralmente demasiado longas para serem publicadas, se ele não minimizá-las.
Desenho estilo
Como Bacharel em engenharia civil, e o aprendizado do desenho técnico, Don Rosa tem alguns métodos de desenho incomum. Por ser auto-didata na produção de quadrinhos, Rosa conta principalmente com as habilidades que ele aprendeu na escola de engenharia, o que significa utilizar muitos tipos de canetas técnicas. Ele aplica as formas de artefatos de plástico para desenhar curvas, círculos e ovais. Rosa geralmente produz menos de uma página por dia, mas isso depende da quantidade de detalhes que ele coloca no quadro.
O estilo de desenhode Don rosa é considerado muito mais detalhado e "sujo" do que a maioria dos outros artistas da Disney, vivos ou mortos, e muitas vezes comparada à de artistas underground. Ele é frequentemente comparado a Robert Crumb.
"Eu penso que o meu estilo eo de Robert Crumb só são semelhantes porque crescemos fazendo quadrinhos para a nossa satisfação pessoal, sem nunca levar o desenho a sério, e sem nunca tentar alcançar um estilo que agradaria a editora Marvel Comics. Nós desenhamos quadrinhos para nossa diversão."
Carl Barks
Carl Barks é o Ídolo absoluto de Don Rosa. Rosa constrói quase todas as suas histórias em cima de personagens e locais que Barks inventou. Muitas das histórias de Rosa contem referências a algum fato que está em histórias de Barks. Rosa criou até sequências de velhas histórias de Barks. Para acrescentar mais a sua admiração e consistência com a obra de Barks, Rosa faz histórias de todos os seus patos acontecerem na década de 50. Isso ocorre porque Barks escreve a maioria das histórias de Tio Patinhas, Donald e todas as pessoas de Patópolis nos anos 50 (também convenientemente resolve erros de continuidade, tais como a idade do Tio Patinhas).
Barks criou a a maioria dos personagens usados por Rosa ou é creditado por grande parte do desenvolvimento de suas personalidades. Rosa, assim, sente-se obrigado a fazer suas histórias factuais consistentes. Ele passou muito tempo em fazer listas de fatos e anedotas assinalou em diferentes histórias de seu mentor. Especialmente The Life and Times of Scrooge McDuck baseou-se principalmente nos trabalhos anteriores do Barks. Rosa admitiu, contudo, que uma cena do primeiro capítulo foi inspirado por uma história de Tony Strobl.
Aliado a um esforço constante de Rosa manter-se fiel ao universo criado por Barks, há também uma série de diferenças notáveis entre os dois artistas. A mais óbvia delas é o estilo de desenho muito mais detalhado de Don Rosa, muitas vezes com muitas piadas de fundo. Embora o próprio Barks não use em sua obra esses artifícios para dar o efeito cômico. As histórias de Rosa são ricas em detalhes com coloridos marcantes e bizarras interpretações faciais e muitas piadas "pastelão" . Barks teve mais de 600 histórias dos Patos creditadas ao seu nome enquanto Rosa criou apenas 85 até o seu problema ocular o aposentar.
D.U.C.K.
A maioria das histórias de Rosa tem as letras D.U.C.K. escondido no primeiro painel. Esta é uma Sigla para Dedicada para Uncle Carl de Keno. D.U.C.K. é na maioria das vezez escondido no primeiro quadrinho, na primeira página da história. D.U.C.K. é também frequentemente escondido em capas que ele cria para as HQs que tem suas histórias, e reproduções de antigas histórias de Carl Barks. Quase toda vez que Rosa consegue um artigo sobre ele nos quadrinhos Disney semanais (pelo menos em edições européias), o D.U.C.K. é mencionado.
Mickey
Outra curiosidade é o seu Hidden Mickeys. Rosa só está interessado em criar histórias com a família Pato, mas muitas vezes ele esconde pequenas cabeças do Mickey ou figuras nas fotos, por vezes, em uma situação humilhante ou indesejada. Um exemplo disto está na história O Terror do Transvaal, onde Mickey pode ser visto sob o pé de um elefante. Isto é mais uma piada feita para o divertimento dele. Rosa admitiu não gostar nem rejeitar o Mickey Mouse, mas ser indiferente a ele.
Em The Quest for Kalevala essa piada pode ser visto no original, Akseli Gallen-Kallela de inspiração a arte da tampa. Na obra original, Louhi é descrita como de peito nu, mas a versão Disneyfied foi elaborado um su
perior, de tecidos estampados com o Mickey Mouse cabeças.
Don Rosa já ganhou muitos premios da industria do Quadrinhos
Em 1995 foi premiado com o Eisner Award para "Melhor História Seriada" para The Life and Times of Scrooge McDuck
Ele também foi indicado para Harvey Awards 2007 em cinco categorias (mais do que qualquer outro criador para aquele ano) para os quadrinhos do tio Patinhas: Melhor Roteirista, Melhor Artista, Melhor Cartunista, Melhor Capa Artista, e Prêmio Especial para Humor em Quadrinhos.
Em 1997, a editora italiana Editrice ComicArt, publicou um volume generoso e abundadante sobre a biografia de Don Rosa e trabalhos relacionados com os personagens Disney. Foi intitulado "Don Rosa e il Rinascimento Disneyano" e escrito por , Alberto Becattini, Leonardo Gori e Francesco Stajano. Este trabalho não só aborda toda a vida criativa de Don Rosa até 1997, mas também apresenta uma biografia completa, e lista detalhadamente até essa data todo o seu trabalho para a Disney.
Don Rosa um grande Mestre Disney e um talento impar no Universo maravilhoso das histórias em quadrinhos Disney.










Fonte: Wikipédia (em inglês), Youtube.

2 comentários:

D@nil.B disse...

Don Rosa é o melhor artista disney do mundo!!! Meu ídolo!
Pena que ele parou de escrever histórias disney... :'(

Paulo Gibi disse...

Ludy, seu blog é tão legal quanto ler um gibi Disney. Parabéns. Paulo Augusto.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails