sábado, 7 de maio de 2011

Tesouros da minha coleção - Pato Donald #353 (1958)

Olá amigos Disneyanos!!!
Apresento hoje mais um tesouro da minha coleção Disney. Essa edição que vou mostrar hoje, foi adquirida recentemente, explico: meu aniversário está chegando (dia 14 de maio), então aqui em casa temos um trato, no  aniversário toda a família me dá dinheiro em vez de presentes, aí eu pego essa "grana" e encomendo revistas Disney pela rede.
Comprei algumas revistas com o meu amigo Valim da Casa do Gibi e já chegaram. E uma é essa edição aí abaixo.
Esse Pato Donald é de 1958 e passa a ser a revista mais antiga que eu possuo, (não riam grandes colecionadores, pois eu sou um pobre "juntador" de revistas nem colecionador me considero). A grande verdade é que eu não me importo com o que pensem. O fato é que para mim todas as revistas que possuo são verdadeiros tesouros Disney.
Pato Donald #353 (publicada em 12 de agosto de 1958) capa do Carl Barks para a edição Walt Disney's Comics and Stories #206 de novembro de 1957. (capa abaixo)
Abaixo um comercial antigo do tênis Iris (você comprava um tênis e ganhava uma decalcomania do Pato Donald).
A história que abre essa antiga e amarelada edição é do Barks.
A Mina Perdida do Perneta (The Lost Peg Leg Mine no original inglês). Foi criada em 14 de junho de 1956 e publicada pela primeira vez em março de 1957 na revista Donald Duck #52 (capa abaixo).
Roteiro e desenhos do nosso imortal mestre Carl Barks
Essa história da familia pato foi publicada pela primeira vez no Brasil, justamente nessa edição do final dos anos 50 que comento hoje. Depois foi republicada somente no começo dos anos 70, na edição #75 do Tio Patinhas de outubro de 1971. No  final dos anos 70 ela voltou a ser republicada, desta vez no Disney Especial #38 Os Garimpeiros de setembro de 1978. Em 1986 voltou a ser lançada na reedição de Os Garimpeiros, Disney Especial #34 de 29 de junho de 1986. Esta história do Barks só retornou a republicação recentemente na seminal obra do Barks lançada pela editora Abril na metades dos anos 2000. O Melhor da Disney - As Obras Completas de Carl Barks volume 29 de junho de 2007, trazia pela última vez (pelo menos por enquanto) a história: A Mina Perdida do Perneta.
Eu estava lendo essa edição pra "matar a saudade" dessa história. O Tio Patinhas e os sobrinhos acabam indo procurar ouro numa mina abandonada, mas o que encontram são duas sacolas ou alforjes cheios de pedras e não ouro como eles previam. Tem também ratos "inteligentes" que trocam objetos e deixam no seu lugar pepitas de ouro. Leia a história abaixo. 





A próxima história desta edição de apenas 32 páginas tem como protagonistas Mickey e Pateta e logicamente a participação de algum dos bandidos do mundo do rato. João Bafo de Onça é o meliante da vez acompanhado do seu eterno comparsa Escovinha.
A Cidade Naufragada ou As Ruínas de Porto Pirata (The Sunken City original inglês). Foi publicada pela primeira vez, (dividida em três partes), em outubro de 1957 na edição Walt Disney's Comics and Stories #205 (veja capa abaixo).
Essa história cheia de aventura e ação tem roteiro do falecido mestre Disney Carl Fallberg (Carl Robert Fallberg: 11 de setembro de 1915 - 9 de maio de 1996) e desenhos do sempre genial Paul Murry.
Essa história foi publicada no Brasil pela primeira vez nesta edição do Pato Donald #353 que apresento hoje. A aventura foi dividida em três partes, a primeira nessa edição. A segunda parte na edição de 19 de agosto de 1958 Pato Donald #354 e a última parte na edição #355 de 26 de agosto daquele ano. Depois foi republicada no Tio Patinhas #11 de junho de 1966. Voltou a ser lançada em novembro de 1981 na revista Mickey #349. A última vez que essa história foi republicada, foi no Anos de Ouro do Tio Patinhas volume #3 de setembro de 1991. Confira abaixo a primeira parte da história.




Muito bem, retornamos para mais uma história que compõe a edição #353 do Pato Donald.
A nossa próxima historinha traz os esquilos Tico e Teco.
Aventura Aérea, também conhecida como, Vamos voar, Tico? (Flying High no original inglês). Foi publicada pela primeira vez na revista própria dos esquilinhos chamada: Chip 'n' Dale #12 de dezembro de 1957. (confira abaixo a capa da edição)
A história tem roteiro de autor desconhecido e desenhos de Jack Bradbury.
Foi publicada no Brasil em duas ocasiões. Em 1958 nessa edição que comento hoje e uma última vez foi republicada na revista Zé Carioca #1073 de 2 de junho de 1972.
Abaixo mais um daqueles comerciais antigos (esse apresenta o fixador Juvênia, seria um ancestral do velho e bom gel?!?!)
Nossa última história da edição que apresento hoje, traz a eterna namorada do Donald e Gastão (seria maldade minha???).
Donald pagou o pato (Daisy Duck's Diary) foi publicada pela primeira vez em novembro de 1957 na revista própria da Margarida (Daisy Duck em inglês). Daisy Duck's Diary chegou às bancas americanas em novembro de 1957. (veja a capa abaixo)
A história tem roteiro desconhecido e desenhos de Tony Strobl e arte final de John Liggera. Foi publicada uma unica vez no Brasil, nessa edição que comento hoje. Confira abaixo parte da história.

Fechando a sessão nostalgia com um comercial das  fitas Scotch.
Na contra capa da edição, uma gag com o Mickey bancando o malabarista e se dando mal na execução da tarefa. esta página foi desenhada por Tony Strobl com roteirista desconhecido e publicada pela primeira vez em fevereiro de 1957  em Mickey Mouse #52 (veja a capa abaixo).

E assim, com o Mickey mostrando suas habilidades "monstruosas" nos malabares, eu fecho mais uma postagem apresentando uma das revistas da minha pequena coleção Disney.
Hoje eu trouxe o Pato Donald #353 de agosto de 1958. Até breve amigos.

Fonte: Pato Donald #353 (coleção de Ludy). Informações para o texto pesquisadas no Inducks Brasil. Imagens digitalizadas da revista pelo autor do blog Universo Disney. Este blog não tem absolutamente nenhum teor comercial e nenhuma  intenção de ferir direitos autorais,  todos os direitos pertencem a Editora Abril  e Disney. O Universo Disney se presta meramente ao trabalho de divulgação dos quadrinhos Disney e da coleção do seu autor.

9 comentários:

Pablo Gabriel disse...

Que belo texto,eram bons aqueles tempos porque ainda se publicavam histórias em partes.

Chabacano disse...

[Esse Pato Donald é de 1958 e passa a ser a revista mais antiga que eu possuo, (não riam grandes colecionadores, pois eu sou um pobre "juntador" de revistas nem colecionador me considero). A grande verdade é que eu não me importo com o que pensem. O fato é que para mim todas as revistas que possuo são verdadeiros tesouros Disney.]

Olá, Ludy! Parabéns pela personalidade e simplicidade. Tenho uma sugestão para você que também é fã dos patos, se é que você já não possui. Trata-se da Coleção "Anos de Ouro do Pato Donald", que reimprimiu todos os primeiros 21 nos. da revista "O Pato Donald".

Um grande abraço!

Ludy disse...

Obrigado Pablo pela visita valeu!!!

Salve Chabacano. Sim eu já tenho esses volumes Anos de Ouro do Pato Donald, do Tio Patinhas e duas edições do Anos de Ouro do Zé Carioca. Realmente é um material maravilhoso. E sempre que posso volto a ele de dou uma lida naquele material antigo maravilhoso. Abração e obrigado pela visita.

Paulo Gibi disse...

Oi Ludy, vou te dizer como me sinto ao ver o amigo com um gibi de 1958: é perfeito. Quando vemos uma republicação de uma história antiga num gibi novo, é como ver uma foto, uma imagem de algo do passado. Mas, veja bem, digo, MAS... quando estamos com um gibi feito há mais de 50 anos, original, nas mãos, com esses comerciais antigos na íntegra, as laterais desenhadas com anúncios e esse amareladinho histórico nas páginas, isso É UMA MÁQUINA DO TEMPO, EM SUAS MÃOS. Esse gibi de papel sobreviveu por mais de 50 anos, e teve sua trajetória final para as mãos de quem ama os gibis Disney, e isso é MARAVILHOSO. É assim que vejo, amigo, eu não tenho nenhum gibi da década de 50. Acho que o mais antigo que eu tenho é de 1967 ou 1968. Mas, não te invejo, apenas admiro. Vida longa ao excelente blog Universo Disney, e ao amigo colecionador Ludy. Abs. Paulo

Luiz Carlos do Rio disse...

To virando fã deste blog, parabens Ludy, tambem não me considero um colecionador e sim um juntador de gibi. O gibi mais antigo que eu tenho deve ser um Pato Donald de 1966. Agora o mais antigo que compraram pra mim novinho na banca, é um almanaque Disney de 1972. Abraços.

Ludy disse...

Amigão Paulo, que belas palavras, obrigado por sua amizade e seu blog também é sensacional.

Abração Paulo até breve.

Ludy disse...

Luiz Carlos seja bem vindo ao meu humilde blog Disney, essa passa ser a sua casa também. Volte sempre ok.

nadiacris disse...

Tenho a coleção do anos de ouro do Pato Donald do numero 01 ao numero 14 dos anos 50 a 51 encadernadas alguem tem interesse em compra-los

nadia.castroo@gmail.com

Paulo Eduardo de Freitas Valladão disse...

Boa tarde, Ludy! Foi um prazer descobrir teu blog, pois sempre fui fã dos quadrinhos Disney. Ainda estou explorando tuas postagens...são muitas as informações ( e estou gostando bastante ).Embora tenha alguns números antigos e reedições, não sou um colecionador típico mas aprecio imensamente pessoas que se dedicam a esta atividade.
Talvez você ( ou algum outro leitor ) possa me ajudar. Quando era criança eu possuía muitas revistas Disney. Infelizmente, minha coleção foi extraviada. Com o passar do tempo, consegui encontrar em Sebos e na Internet alguns exemplares que eu possuía. Algumas histórias também foram reeditadas em coletâneas, as quais consegui comprar.
Entretanto, nunca mais consegui encontrar algumas histórias que eram as minhas preferidas. Imagino que você talvez as possua, devido à quantidade do teu acervo. Não consigo me recordar das capas ( algumas revistas não as tinham ), muito menos do ano ( naquela época não me atinha a este tipo de informação ), mas jamais esqueci as histórias em si. Eu tenho memória fotográfica e imagino que você também tenha. Se eu ler qualquer história em uma revista hoje, me lembrarei se já tinha visto em qualquer outra revista antes.
Bem, as histórias são as seguintes: Mickey e Pateta estão acampando em uma região montanhosa. De repente, o Pateta começa a sonhar com objetos e paisagens que vão, depois, aparecendo na história ( tipo premonição ).No final, descobrem que eram sinais "telepáticos" enviados por uma máquina que um cientista havia construído na floresta, próximo ao acampamento. Era uma "máquina de sonhos".
Outra história diz respeito às bruxas Maga Patalógica e Madame Mim. Ambas estão atrás da famosa "praga dos mil anos". Elas encontram um castelo que é guardado pelo Tio Patinhas ( que cobra entradas pelo ingresso no mesmo ).Uma vez no interior, elas encontram um pequeno cofre de madeira com a praga, mas o dragão que as acompanhava dá um espirro ( de fogo ) e acaba queimando o manuscrito, fazendo com que as duas voltem à estaca zero.
A terceira história mostra Mickey e Pateta sendo chamados para consertar o relógio de uma torre ( se não me engano da Prefeitura de Patópolis ). Lá chegando, descobrem que a torre estava infestada de pássaros, que haviam feito seus ninhos nas engrenagens do relógio. O Pateta quase cai, ficando pendurado nos ponteiros do relógio pelo cinto da calça. No final, conseguem retirar os pássaros da torre.
Outra história se refere á uma expedição do Donald, sobrinhos e Tio Patinhas ( se não me engano ) a um vale sinistro, cheio de formações rochosas assustadoras. Muitas dessas formações assemelhavam-se a torres cilíndricas e uma delas começa a se mover. Os patos vão investigar e fica esclarecido que a "torre de rocha" na verdade é um observatório disfarçado, construído por um ornitólogo, uma vez que o tal vale é, na verdade, um refúgio de pássaros de diversas espécies.
Caso você ( ou algum outro comentarista ) possua estas histórias digitalizadas ou informações referentes às edições que contenham as mesmas, agradeceria muito.

Atenciosamente,

Paulo Eduardo

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails